Imprimir esta página

Funcionária gravou no celular 'paredão' de demissão em empresa de Fortaleza: 'não vou votar em ninguém para sair', disse colega
31 Mai 2021

Funcionária gravou no celular 'paredão' de demissão em empresa de Fortaleza: 'não vou votar em ninguém para sair', disse colega Foto: Reprodução/TV Globo
Escrito por 

Empresa foi condenada a pagar indenização de R$ 14 mil a uma consultora de vendas que foi demitida após ser a mais votada pelos outros funcionários. Outras duas pessoas também foram dispensadas durante o processo.


Um dos funcionários da empresa de turismo condenada pela Justiça do Trabalho do Ceará a pagar indenização a uma consultora de vendas demitida em um processo similar ao “paredão de BBB" se negou a indicar alguém para ser demitido. Em razão da recusa, ele foi desligado junto com a colega. A transcrição de um áudio gravado pela funcionária faz parte dos autos do processo.

No áudio, o gerente começa falando sobre os resultados da equipe. Ele usa palavrões e palavras de baixo calão contra os funcionários, e afirma que só veste a farda da empresa "quem merecer".

— "Não é qualquer um que tá aqui. Eu não estou me aventurando. Eu não estou nessa p**** à toa. Então o que vocês vão fazer agora? Vocês vão escolher um 'linear' e um closer' para sair da equipe e vão falar o porquê", disse o gerente, anunciando a votação para a equipe.

Ele pede, primeiramente, para um funcionário do sexo masculino votar em uma pessoa para demissão. O funcionário afirma que vai votar em si mesmo, se recusando a escolher alguém para receber seu voto.

— "Deixa, eu me reservo o direito de votar em mim mesmo. Eu não vou votar em ninguém para sair não!", afirma o funcionário, que foi demitido logo em seguida.

— "Tá. Então já, já tá excluído", anuncia o gerente.

Continuando o processo de votação, o gerente aponta outros nomes para a escolha de eliminação. Os funcionários tiveram que justificar o motivo da indicação. Alguns votaram por rendimentos na empresa, e outros por não gostarem de quem estava recebendo o voto. A situação constrangedora continuou, até que a consultora de vendas acabou sendo demitida por receber a maioria dos votos. Outro funcionário também entrou na demissão, além do que foi desligado por se negar a votar.

 

Decisão da Justiça do Trabalho

Em abril de 2020, a consultora de vendas demitida entrou com ação trabalhista contra as empresas Somos Case Gestão de Timeshare e Multipropriedade e MVC Férias e Empreendimentos Turísticos e Hotelaria. A empregada informou que foi contratada em julho de 2019 e trabalhou nas salas da MVC em diversos estabelecimentos de Fortaleza.

Ao Tribunal Regional do Trabalho do Ceará (TRT-CE), ela afirmou que foi demitida pouco mais de um mês após sua admissão, mas não recebeu as verbas trabalhistas a que teria direito.

 

Tratamento constrangedor

De acordo com a trabalhadora, ela recebia tratamento constrangedor por parte do superior. O gestor restringia as idas ao banheiro, além da alimentação dos empregados. A consultora alega que ainda sofre com depressão e traumas psicológicos em decorrência da exposição sofrida.


Versão das empresas

A empresa Somos Case Gestão de Timeshare e Multipropriedade Ltda, na contestação, negou o vínculo de emprego com a ex-funcionária, tampouco qualquer prestação de serviços a seu favor. A empresa afirmou que as alegações não procedem e pediu a denunciante fosse condenada e multada por "litigância de má-fé".

Já a ré MVC Férias e Empreendimentos Turísticos e Hotelaria alegou que não houve relação jurídica com a vendedora, sustentando que sua real empregadora era a outra empresa, e também negou a existência de grupo econômico.

A Justiça considerou que parte das acusações têm procedência e condenou as empresas; e as empresas são responsáveis pelo pagamento da indenização.

Fonte: https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2021/05/30/funcionaria-gravou-no-celular-paredao-de-demissao-em-empresa-de-fortaleza-nao-vou-votar-em-ninguem-para-sair-disse-colega.ghtml

Última modificação em Segunda, 31 Mai 2021 02:50

Mídia

Empresa promoveu um paredão entre funcionários para decidir quem seria demitido Reprodução/TV Globo